É cedo e a cabeça do atleta já começa a matutar, é impossível não estar sempre em funcionamento pois um corpo em forma aguarda ansiosamente por um sinal verde, por um comando para que mais um dia de atividades comece. Focamos bastante em desenvolver nossos músculos que em diversas vezes nos esquecemos de quem comanda toda essa festa, é muito importante ter uma cabeça boa para poder extrair tudo que o seu corpo pode oferecer.

Como triatleta amador preciso estar sempre focado para aproveitar ao máximo o meu tempo de treinamento, preciso estar concentrado para evitar coisas desagradáveis como tombos e topadas, preciso estar feliz para conseguir acordar naquela manhã gelada de Julho para nadar 2500m “para a morte” e principalmente preciso me manter motivado para que tudo isso funcione e eu siga firme no meu propósito que é ser cada vez mais rápido, mais forte, gastando cada vez menos energia. Essa é a minha missão como atleta, pode ser até um pouco diferente das diversas missões que existem nos mais variados esportes por aí mas uma coisa é certa, todos nós seja do Triathlon, do Arco e Flecha ou do Curling temos pelo menos um objetivo em comum: superação.

O esporte deve funcionar como uma espécie de PLUS de uma vida plena e repleta de sensações. Para que se tenha êxito em qualquer atividade física é preciso estar em grande sintonia com a própria vida pois existe sim diferença entre “dar o máximo” e “superar os limites”. Ao admitirmos que os nossos estímulos, nossas contrações e movimentos são controlados por uma enorme central neural e emocional chamada cérebro tomamos a consciência que corpo, mente e espírito são portanto uma única coisa, capaz de coisas incríveis quando usados juntos e com sabedoria. Tanto na minha profissão como Fotógrafo/Publisher e na minha vida esportiva como triatleta sempre preguei repetidamente que para produzir coisas lindas é preciso viver coisas lindas, ninguém sabe reproduzir a beleza se nunca a sentiu com paixão muito menos consegue dar o seu máximo em uma atividade física quando ignora constantemente seus próprios limites. Somos uma máquina incrível que só está a espera de pensamentos fortes e positivos para seguir em frente (e rápido).

Essa é a minha coluna de estréia aqui no Vida de Triatleta, pra quem não me conhece do “Diário” aqui do blog meu nome é Andre Raittz sou triatleta amador e apaixonado por todas as coisas que faço. Espero que nossas cabeças estejam bem já nesse começo de ano e que 2014 venha forte e lindo para todos nós! Um grande abraço!

Andre Raittz

Lembrando que as opiniões acima são de única e exclusiva responsabilidade do colaborador, podendo não representar uma nota oficial do Vida de Triatleta. Para entrar em contato com o autor, use o link abaixo.